breadcrumbs-bg

Geossintéticos: Saiba o que são e para que servem

Geossintéticos: Saiba o que são e para que servem

Geossintéticos

Geossintéticos são materiais ou produtos industrializados, ou seja, em que pelo menos um dos seus componentes é fabricado com polímeros sintéticos ou naturais.

Basicamente, os Geossintéticos servem para projetos relacionados na área de geotecnia.

Apesar de estar ganhando atualmente bastante espaço no mercado, esse tipo de tecnologia não é tão nova e tem sido bastante utilizada.

Principalmente, por conta da capacidade de resolver problemas antigos na área da engenharia. 

O que se pode destacar entre suas diversas funções, entretanto, é sua capacidade na separação, filtração, drenagem e reforço.

Além disso, na contenção de fluidos e gases e até mesmo controle de corrosivos.

Isso tudo sem contar que, em resumo, dependendo do caso, o mesmo produto pode ser utilizado em mais de uma função.

A tecnologia dos Geossintéticos abriu caminho para a simplificação de vários problemas e sistemas de engenharia como construções sobre solos frágeis e maior estabilidade em taludes com dimensão e, sobretudo, inclinação menores.

Além disso, é utilizada em drenagens de vias e áreas especiais e mitigação da erosão do solo, entre outros. 

Continue acompanhando o artigo para conhecer mais informações e aplicações. 

Tipos de Geossintéticos e aplicações

Como dissemos na introdução, os Geossintéticos fazem parte de uma tecnologia que está sendo utilizada, sobretudo, em diversos níveis de projeto.

Vamos listar abaixo alguns tipos de materiais e produtos Geossintéticos.

Geotêxteis

São mantas contínuas de fibras, filamentos ou tecidos flexíveis e permeáveis. São utilizados para aplicações de separação, proteção, filtração, drenagem, reforço e controle de erosões.

Geogrelhas

São materiais geossintéticos com forma de grelha. A principal aplicação das geogrelhas é em reforço de solos.

Georredes

São materiais com aparência semelhante à das grelhas formados por duas séries de membros extrudados paralelos, que se interceptam em ângulo constante. Possui alta porosidade ao longo do plano, sendo usada para conduzir elevadas vazões de fluidos ou gases.

Geomembranas

São mantas contínuas e flexíveis constituídas de um ou mais materiais sintéticos. Elas possuem baixíssima permeabilidade e são usadas como barreiras para fluidos, gases ou vapores.

Geocompostos

São geossintéticos formados pela associação de dois ou mais tipos de geossintéticos como, por exemplo: geotêxtil-georrede; geotêxtil-geogrelha; georrede-geomembrana ou geocomposto argiloso (GCL). Geocompostos drenantes pré-fabricados ou geodrenos são constituídos por um núcleo plástico drenante envolto por um filtro geotêxtil.

Geocompostos argilosos (GCL’s)

São geocompostos fabricados com uma camada de bentonita geralmente incorporada entre geotêxteis de topo e base ou ligadas à uma geomembrana ou à uma única manta de geotêxtil.

Atuam efetivamente como barreira para líquido ou gás e são comumente usados em aterros sanitários em conjunto com geomembranas.

Geotubos

São tubos poliméricos perfurados ou não usados para drenagem de líquidos ou gases (incluindo coleta de chorume ou gases em aplicações de aterros sanitários). Em alguns casos o tubo perfurado é envolvido por um filtro geotêxtil.

Geoexpandido

São blocos ou placas produzidos por meio da expansão de espuma de poliestireno para formar uma estrutura de baixa densidade.

Ou seja, o geoexpandido é usado para isolamento térmico, como um material leve em substituição a aterros de solo.

Sobretudo, como uma camada vertical compressível para reduzir pressões de solo sobre muros rígidos.

Funções aplicadas dos Geossintéticos

Como falamos lá em cima, os Geossintéticos dispõem de diversas funções que fornecem soluções para reforço, melhoramento, estabilização de solos e pavimentos.

Além disso, controle de erosão, tratamento de efluentes, impermeabilização de solos, revestimento de canais e proteção costeira. 

Vamos explicar agora, algumas dessas funções de forma mais específica e descubra qual delas é a mais indicada para o que você precisa.

Separação

O geossintético pode atuar na separação de duas camadas de solo que têm distribuições de partículas diferentes. 

Por exemplo, geotêxteis são usados para evitar que os materiais da base penetrem no solo mole de camadas subjacentes.

Assim, mantendo a espessura da camada de projeto e a integridade da estrada.

Filtração

Em resumo, o geossintético pode desempenhar papel similar a um filtro de areia, permitindo a livre passagem da água através do solo enquanto retém as partículas sólidas.

Drenagem

O geossintético também pode agir como um dreno que carrega o fluido através de solos com menor permeabilidade. 

Neste sentido, para fluxos mais elevados, drenos geocompostos foram desenvolvidos. 

Esses materiais têm sido utilizados como drenos laterais de pavimentos, drenos de taludes e drenos de aterros e muros de contenção.

Reforço

Para finalizar, o geossintético pode atuar como elemento de reforço inserido no solo ou em associação com o solo para a melhoria das propriedades de resistência e de deformação do solo natural. 

O emprego do reforço possibilita a construção de aterros sobre fundações de solos extremamente moles.

Ou seja, como de muros íngremes improváveis de serem viabilizados, ou seja, em solos não reforçados.

A história dos Geossintéticos no Brasil

Os geotêxteis foram provavelmente os primeiros tipos de geossintético a serem utilizados em obras geotécnicas no país, há cerca de 40 anos, principalmente em aplicações ligadas a drenagem e filtração.

Pouca ou nenhuma informação está disponível na literatura técnica sobre essas obras pioneiras.

Porém, há alguns relatos superficiais de profissionais envolvidos nelas. 

Nessa fase pioneira, a participação de profissionais ligados às empresas fabricantes de geossintéticos foi de fundamental importância para o início da consolidação dos geossintéticos como materiais de construção no país.

Utilização dos Geossintéticos nos anos 70

Nos anos 1970, os geotêxteis eram do conhecimento de um limitado número de profissionais geotécnicos no país. 

A falta de informações (até em nível mundial) sobre tais produtos, associada a uma certa relutância em aceitar plásticos como materiais de qualidade pela comunidade técnica.

Isso, no entanto, compromete a confiabilidade desses materiais como componentes de obras geotécnicas.

Não raro os fabricantes desses materiais não dispunham de dados e informações técnicas relevantes sobre seus produtos para a engenharia nem de pessoal especialmente qualificado para um perfeito diálogo com projetistas e executores de obras.

A falta de informação técnica sobre o assunto e os produtos e a falta de resultados de pesquisas sobre a utilização de geossintéticos sob condições típicas nacionais.

Essas foram certamente algumas das principais causas do atraso na aceitação desses materiais no Brasil, em comparação ao ocorrido em outros países.

Sob esse aspecto, a situação atual é totalmente diferente. 

No final dos anos 1970 e início dos anos 1980, o interesse por esses materiais e sua utilização começaram a acelerar no Brasil.

Nesta época, começou envolvendo não só aplicações em drenagem e filtração, mas também como reforço de solos.

Ao final da década de 1970, o Instituto de Pesquisas Rodoviárias do Departamento Nacional de Estradas de Rodagem (IPR/DNER) iniciou a construção de aterros experimentais instrumentados sobre solos moles na Baixada Fluminense, no Rio de Janeiro.

Parte dessa pesquisa envolveu o estudo de geotêxteis como elementos de reforço de aterros sobre solos moles.

Ou seja, com a construção de uma estrada não pavimentada reforçada (Palmeira, 1981).

Além de aterros sobre colchão de geotêxtil e sobre geocompostos para drenagem vertical (drenos pré-fabricados).

Benefício dos Geossintéticos

No Brasil, o emprego de geossintéticos, embora acelerado nas últimas duas décadas, no entanto, ainda pode ser considerado tímido em comparação ao de países desenvolvidos.

As principais razões para o contínuo crescimento de sua utilização em obras geotécnicas e de proteção ambiental são:

  • contínuo aprimoramento e melhoria da qualidade dos geossintéticos para uso em obras de engenharia;
  • redução de custos dos geossintéticos;
  • redução do tempo de execução de obras;
  • melhoria das metodologias de projeto, resultados de pesquisas e observações de casos históricos com geossintéticos;
  • facilidade de transporte para regiões remotas ou com escassez de materiais naturais;
  • custo competitivo quando comparado ao de soluções tradicionais de engenharia;
  • maior rigidez e controle de utilização de materiais naturais tradicionais em virtude de imposições de ordem ambiental;
  • o uso de geossintéticos pode resultar em soluções de engenharia sustentáveis e com menores impactos ao meio ambiente.

Como é comum para novos materiais e técnicas construtivas, a utilização de geossintéticos em obras civis cresceu.

E ela cresceu a uma velocidade muito superior à do desenvolvimento de pesquisas no assunto. 

Assim, a maioria das obras iniciais em que tais materiais foram usados certamente foi projetada de forma muito conservadora à luz do conhecimento atual. 

Nos dias de hoje, entretanto, se observam projetos cada vez mais arrojados e impensáveis há alguns anos.

Utilização de Geossintéticos na impermeabilização

Impermeabilização nada mais é do que o ato de impermeabilizar, ou seja, isolar e proteger os materiais de uma edificação da passagem indesejável de líquidos e vapores.

Com isso, são mantida assim as condições de habitabilidade de uma construção, por exemplo.

Em resumo, é uma técnica que consiste na aplicação de produtos específicos com o objetivo de proteger as diversas áreas de um imóvel contra a ação de águas.

Como tudo em construção civil, a impermeabilização também deve ser planejada para reduzir o custo e, portanto, aumentar a eficiência.

Isso porque, a falta ou uso inadequado da impermeabilização compromete a durabilidade da edificação, ou seja, causando prejuízos financeiros e danos à saúde. 

A água infiltrada nas superfícies e nas estruturas afeta o concreto, sua armadura, as alvenarias. 

O ambiente fica insalubre devido à umidade, fungos e mofo, diminuindo a vida útil da edificação.

Além do desgaste físico e emocional do proprietário ou usuário, sobretudo, que sofre com a má qualidade de vida causada pelos problemas. 

No entanto, a impermeabilização é muito mais abrangente no que diz respeito à sua utilização. 

Confira esse artigo que fizemos sobre a importância da impermeabilização e suas aplicações.

A Geomembrana Nordeste é especializada em Geossintéticos

A Geomembrana Nordeste atua na área de impermeabilizações, revestimentos e das mais diversas obras geotécnicas e ambientais.

A empresa conta com ampla experiência  e busca pelo contínuo aperfeiçoamento de seus técnicos e colaboradores. 

Destaca-se no mercado pelos seus serviços de aplicação prestados em território nacional e principalmente pela qualidade e excelência no atendimento.

A empresa possui mão de obra especializada e estruturada para aplicação e comercialização da geomembrana PEAD, geocomposto drenante, geotêxtil tecido, geocélula, perfil PEAD, grelhas para controle de erosão, georrede, tubo liso PEAD, tubo dreno em PEAD, fio de solda em PEAD e soldas de tubos PEAD, tudo para as mais variáveis obras que necessitarem destes materiais.

Conheça mais acessando nosso site.

Posts relacionados

Somos especializados na comercialização e instalação de produtos geossintéticos.

Saiba Mais